Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

21/09/2017 - 17:41 - Atualizado em 03/10/2017 - 11:28
Setembro Amarelo propõe conscientização sobre suicídio
O diálogo é uma das alternativas de prevenção e cuidados com a saúde mental
por Autor: 
Natália Spolaor

Alunos escrevem recados de preservação à vida no Centro de Convivência da UFU (Foto: Milton Santos)

 

O Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização voltada para a prevenção ao suicídio e cuidados com a saúde mental. Durante o mês são realizadas atividades que promovem ações em locais públicos pelo Brasil, levando a campanha para as ruas com intuito de sensibilizar a população e os profissionais da área para que se compreenda que é uma situação de saúde pública

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa se suicida no mundo, totalizando quase 1 milhão de pessoas todos os anos. O suicídio é a segunda principal causa de morte entre 15 a 29 anos de idade e geralmente, os homens morrem mais do que as mulheres.

No Brasil, a cada 45 minutos morre uma vítima de suicídio. Além disso, para cada morte, estima-se que pode ter ocorrido mais de 20 tentativas que não funcionaram. O número de vidas que se perdem a cada ano supera a quantidade de mortes por homicídios e guerras.

O suicídio é um gesto de autodestruição, realização do desejo de morrer ou de dar fim à própria vida, além de ser uma escolha ou ação que tem graves implicações sociais. Por isso, o objetivo da campanha é a conscientização sobre a prevenção do suicídio, fazendo com o que a população entenda o que ocorre no país e no mundo.

Como explica a psicóloga Valéria Ribeiro, o autocídio é visto como a única forma de aliviar cobranças sociais, culpa, depressão, ansiedade, medo, fracasso e humilhação “o suicídio é a última instância de um sofrimento psíquico (...) o sujeito já tentou tudo ou supõem-se que já tentou tudo, como socorro, ajuda, medicamentos, até que desiste da vida”, relata.

Valéria ainda explica quais são os comportamentos desencadeados quando uma pessoa está passando por um momento difícil que pode levá-la a cometer o suicídio “temos alegrias e tristezas na vida, mas quando o sujeito não consegue sair dessa tristeza e sofrimento, começa a ter prejuízos, como alimentação alterada, sono perturbado, isolamento, não vai mais a escola ou ao trabalho (...) Isso tudo são indícios que existe uma dor que não está sendo superada”, diz.  

Segundo um estudo realizado pela Universidade de Campinas (Unicamp), 17% dos brasileiros em algum momento pensaram em dar um fim à própria vida e, desses, 4,8% chegaram a elaborar um plano para isso. No entanto, é possível evitar que esses pensamentos suicídas virem realidade. Segundo a OMS, 90% dos casos de suicídio podem ser prevenidos, desde que existam condições mínimas para oferta de ajuda voluntária ou profissional.

A psicóloga lembra a importância de existir uma data voltada para a conscientização do autocídio “o slogan do Setembro Amarelo é ‘falar é a melhor opção’, ou seja, é a melhor forma de prevenir. Esse dado oficial de que 90% dos casos de auto extermínio consumado poderiam ter sido impedidos, é um número muito alto. Podemos diminuí-lo conversando, falando, identificando”, declara.

 

História

O Setembro Amarelo iniciou suas primeiras atividades no ano de 2014, em Brasília. Os órgãos que engajam a causa no Brasil são o Centro de Valorização da Vida (CVV), o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Mundialmente, a Associação Internacional para Prevenção do Suicídio (IASP) estimula a divulgação da causa, vinculado ao dia 10 do mesmo mês, pois se comemora o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

O CVV é um dos órgãos que atuam no Brasil na prevenção do suicídio desde 1962. A entidade é sem fins lucrativos e conta com mais de 70 postos e cerca de 2.000 voluntários no país. O trabalho dos voluntários consiste em ouvir as pessoas e deixá-las compartilhar momentos difíceis. Além disso, é membro fundador do Befrienders Worldwide (site de prevenção ao suicídio) e ativo junto à Associação Internacional para Prevenção do Suicídio e de outros órgãos internacionais que atuam por essa causa.

 

Na Universidade Federal de Uberlândia

O evento na UFU é promovido pela Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Proae), Diretoria de Qualidade de Vida do Estudante (Dirve) e Divisão de Saúde (Disau), em parceria com o Diretório Central dos Estudantes (DCE-UFU) e possui o objetivo de conscientizar a comunidade acadêmica sobre o tema.

A programação acontece nos dias 18 à 27, e conta com atividades em vários campi da instituição. Por meio do diálogo, temas como estresse e convívio na universidade serão debatidos em rodas de conversa. Outra atividade é a distribuição de fitas amarelas simbolizando a campanha.

Laura Pasini, aluna do curso de Pedagogia da UFU e que forma a comissão de organização do Setembro Amarelo, acredita que com o evento algumas mudanças vão acontecer “esperamos que as pessoas procurem mais o apoio dos órgãos que existem na universidade e entendam que é necessário procurar ajuda de algum profissional”, afirma.

Na UFU, é possível obter ajuda por meio da Divisão de Saúde. O órgão atende no Bloco 3E, no campus Santa Mônica. É possível entrar em contato pelo telefone (34) 3230-9558 ou pelo email disau@proae.ufu.br.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2019. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal