Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

05/02/2019 - 08:37 - Atualizado em 06/02/2019 - 10:25
Gestão dos Hospitais Universitários Federais é tema de tese defendida por docente da Famed
Trabalho apresentado pelo professor Nilton Pereira Júnior à sua banca de doutorado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp analisou as políticas públicas implementadas nas 50 unidades hospitalares universitárias que compõem a rede federal
por Autor: 
Hermom Dourado

Membro do corpo docente da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia (Famed/UFU) desde 2014 e atualmente à frente do seu Departamento de Saúde Coletiva e do Núcleo de Gestão Estratégica do Hospital de Clínicas (HCU), Nilton Pereira Júnior estudou a fundo dados das 50 instituições da rede hospitalar universitária federal do nosso país. Elas foram o objeto de pesquisa de sua tese de doutorado, intitulada “Política, Planejamento e Gestão dos Hospitais Universitários Federais” e defendida no último mês de dezembro, no Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O trabalho, cuja orientação ficou a cargo do professor Gastão Wagner de Sousa Campos, analisou aspectos estruturais, de gestão de pessoas, financiamento, planejamento e a percepção dos dirigentes dos hospitais sobre a implementação da Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) nas suas unidades. Outros aspectos observados foram os impactos de reformas administrativas e gerenciais dos últimos anos, como o Programa de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF) e a efetivação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH).

Banca de defesa da tese foi realizada no dia 14 de dezembro, na Unicamp. (Foto: Arquivo pessoal)

Com base nos dados e depoimentos que levantou, o docente da Famed concluiu que o modelo atual de gestão administrativa e financeira tem sido ineficiente e ineficaz devido à pouca padronização. “A gestão não é compartilhada, com ausências de espaços coletivos para a comunicação e a tomada de decisões. Também observei que a atenção à saúde é fragmentada, não centrada nas necessidades dos usuários, sem visão integral e interdisciplinar, além de apresentar baixa humanização, qualidade e segurança ao paciente”, comenta.

Na avaliação de Nilton Pereira Júnior, entre os principais desafios a serem superados pelos hospitais universitários federais, estão: a integração com as universidades e faculdades; a relação com a Rede de Atenção à Saúde, as Políticas Públicas e os gestores do Sistema Único de Saúde (SUS); e a democratização de sua gestão, com maior participação dos usuários, estudantes e trabalhadores.

 

Pontos positivos

Ainda de acordo com o professor da UFU, também foram verificados aspectos dignos de reconhecimento e que geram boas perspectivas: “Em oposição ao quadro geral de hospitais brasileiros, o parque hospitalar universitário federal aproxima-se de tendências internacionais por apresentar hospitais com maior número médio de leitos, concentração de densidade tecnológica e que se constituíram em centros de pesquisa e formação de profissionais de saúde e em referência para a atenção de média e alta complexidade.”

Variação da quantidade de leitos entre 2005 e 2018 foi um dos aspectos pesquisados. (Imagem: Reprodução)

Falando especificamente sobre as reformas administrativas e gerenciais, na qual se inserem o REHUF e a EBSERH, o pesquisador aponta que elas trouxeram possibilidades concretas de superação dos alguns desafios históricos de hospitais no SUS. “Mesmo assim, há ainda controvérsia sobre a alternativa gerencial com caráter de gestão indireta adotada pelo governo federal”, adverte.

 

>>> Leia também:

Professor da UFU lança livro sobre gestão do SUS

 

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2019. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal