Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

20/11/2020 - 00:53 - Atualizado em 20/11/2020 - 00:56
Ainda vivemos em Quilombos?
Conheça as atividades que a UFU tem desenvolvido em busca de equidade
por Autor: 
Jussara Coelho

Dos 604 mil habitantes de Uberlândia registrados pelo Censo 2010 do IBGE, 42,9% se autodeclararam pretos (8,3%) e pardos (34,6%). Os de etnia branca eram 55,8%; amarela, 1,1%; e indígena, 0,2%.

20 de novembro. Por quê? 

Hoje, 20 de novembro, é o Dia do Consciência Negra. Essa data foi instituída no país, oficialmente, em 2011 pela lei nº 12.519 por seu significado na história da população negra do Brasil. Na mesma data, em 1695, morre Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, maior quilombo do período colonial brasileiro.

Existenciais periféricas?

De acordo com Cristiane Coppe de Oliveira,  diretora da Diretoria de Estudos e Pesquisas Afrorraciais da Universidade Federal de Uberlândia (Diepafro/UFU) estamos diante de um indigno e violento quadro de desigualdade na sociedade brasileira, das disparidades sociais, políticas, econômicas, ambientais e culturais entre a população negra e branca. O espaço acadêmico também está dentro desse contexto. Diante da dívida histórica do Brasil com o povo negro, a UFU, por meio da diretoria adotou o princípio da equidade racial, intrinsecamente vinculada à equidade de gênero, para impulsionar institucionalmente a criação de condições e oportunidades concretas de entrada e permanência de estudantes negras e negros no ensino superior público. “A equidade racial deve ser uma práxis que possibilite a construção de uma sociedade justa e igualitária do ponto de vista da garantia de direitos e da distribuição justa da renda e da riqueza”, destaca Oliveira.

Antirracistas

O racismo é um fenômeno individual e institucional, principalmente estrutural. É constituído juntamente com o patriarcado e o capitalismo, oprimindo e a explorando a população negra. A diretora conta ainda que a Diepafro é uma conquista do movimento negro e do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros da UFU - NEAB - (criado em 2006 com foco no ensino, pesquisa e  extensão na área dos estudos afro-brasileiros) que,  com reconhecimento nacional de suas ações, defende uma educação antirracista, priorizando as demandas da comunidade de negras e negros, internos e externos à UFU, apontando às gestões situações de racismo estrutural e necessidade de avanços no âmbito das ações afirmativas institucionais.

Universidade é lugar de preto

A V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES – 2018 realizada pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) “a presença de estudantes pretos, de 5,9% para 8,7%, e de pardos, de 28,3 para 32,1%, dado que refletia a institucionalização das políticas de ação afirmativas e do REUNI, não obstante o percentual de negros ainda fosse inferior (40,8%) aos 50,7% apurados pelo Censo 2010 do IBGE”. “Nesse sentido, é evidente que ainda não estamos em um contexto de equidade racial, mas avançamos sistematicamente no sentido de ampliar e consolidar as ações afirmativas existentes e criar condições para estabelecimento de outras” finaliza a diretora.

Conheça os programas e projetos desenvolvidos pela UFU

. Programa de Bolsas de Graduação (PBG/UFU): Em atendimento ao Edital PROGRAD nº 4/2020, por meio da Diretoria de Ensino (DIREN) e Divisão de Formação Discente (DIFDI), foi aberta inscrições para o processo seletivo de Projetos de Ensino no Subprograma InclUFU, do Programa de Bolsas de Graduação (PBG) instituído pela Resolução nº 08/2010, do Conselho de Graduação, a ser desenvolvido durante os períodos letivos especiais.

. Resolução Nº 8/2020, do Conselho de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis: Cria o Programa Institucional de Apoio à Divulgação em Escolas Públicas (PIADEP - "A UFU é para você!"), do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), do sistema de reserva de vagas para negras e negros nos processos seletivos (Sistema de Seleção Unificado - SISU, Vestibular e Escola Técnica de Saúde - ESTES) da Universidade Federal de Uberlândia.

. Resolução Nº 06/2017, do Conselho de Pesquisa e Pós-graduação: Dispõe sobre a política de ações afirmativas para pretos, pardos, indígenas e pessoas com deficiência na pós-graduação stricto sensu na Universidade Federal de Uberlândia.

. Resolução Nº 13/2018, do Conselho Universitário: Que estabelece a Política de Educação das Relações Étnico-raciais da Universidade Federal de Uberlândia e cria a Comissão Institucional de Educação das Relações Étnico-Raciais (CEER/UFU).

. Edital PPGECM Nº 2/2020, que prevê abertura das inscrições e do processo de seleção 2021 para ingresso ao Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática, dispondo que os candidatos autodeclarados Pretos, pardos e indígenas (PPI) serão avaliados por comissão permanente, responsável pelos procedimentos de heteroidentificação pautada criteriosa e objetivamente na observância do conjunto de características fenotípicas visíveis de cada candidato – que para ser homologado preto ou pardo, devem ter características negroides, não considerando parentesco, de acordo com o parágrafo VI do Art. 6º da Resolução SEI Nº 13/2018, do Conselho Universitário que estabelece a Política de Educação da Relações Étnico-Raciais da Universidade Federal de Uberlândia.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2020. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal