Skip to:

FacebookInstagramLinkedinTikTokTwitter YoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

15/03/2021 - 09:51 - Atualizado em 15/03/2021 - 10:01
#UFUemCasa contra o Aedes aegypti
Campanha digital da UFU alerta que preocupação com a Covid-19 não pode fazer com que medidas para evitar a proliferação do mosquito da dengue sejam deixadas de lado
Por: 
Portal Comunica
Por: 
Gabriela Bonatto, estagiária de Jornalismo na Diretoria de Sustentabilidade (Dirsu/UFU)

Imagem:Divulgação/Diretoria de Sustentabilidade da Universidade Federal de Uberlândia

A campanha contra a dengue "Conteúdo audiovisual com recomendações para lidar com a presença de Aedes aegypti" faz parte do projeto de extensão do Programa #UFUemCasa, promovido pela Prefeitura Universitária da Universidade Federal de Uberlândia (Prefe/UFU). Esta iniciativa busca informar a população quanto aos perigos da dengue, de modo a evitar a proliferação do mosquito que transmite a doença. Devido à pandemia de Covid-19, as atividades estão sendo realizadas de maneira remota.

Para o coordenador do projeto, Eunir Augusto Reis Gonzaga, o desafio é sensibilizar as pessoas através da internet. Ele argumenta que é vital que a mensagem seja entregue de forma clara e que todos estejam cientes de que, no período de chuvas, os brasileiros precisam redobrar a atenção sobre este inseto. "Lembrando que dengue existe o ano inteiro; a questão é que no período de seca diminuem os criadouros e a quantidade de água parada. Já nos períodos chuvosos os criadouros se enchem de água. Ou seja, eles já existiam, mas estavam secos e continuavam sendo potenciais criadouros larvários - inclusive, contendo ovos do mosquito esperando para eclodir com a primeira água que cair e ficar neles acumulada", adverte.

Doutor em Geografia e docente dos cursos técnicos em Meio Ambiente e Segurança do Trabalho da Escola Técnica de Saúde (Estes/UFU), João Carlos de Oliveira comenta que, a seu ver, o grande problema é que a dengue e a Covid-19 possuem sintomas muito parecidos, como febre, mialgia (dor muscular) e mal-estar. "Os impactos na economia e na saúde coletiva/pública da população são enormes, afetando dias de trabalho, provocando afastamentos de escolas e sufocando os sistemas de atendimentos na área da saúde, causando grandes riscos de mortes", lamenta o professor.

Ele acrescenta que a preocupação com o novo coronavírus tem ofuscado a que jamais poderia deixar de existir em relação à dengue. "Esta doença não deveria ser subestimada. A pandemia não fez com que os outros vírus e patologias 'tirassem férias'. A dengue é um problema de saúde pública grave e, infelizmente, continua fazendo vítimas no Brasil, em meio à Covid-19. A prevenção é a única forma de evitar contrair o vírus da dengue e o mesmo é válido para não ser contaminado pelo novo coronavírus - cujas formas de prevenção são a lavagem frequente das mãos e o distanciamento social. Cuidem-se!", conclui Oliveira.

O material informativo da campanha digital "#UFUemCasa contra o Aedes aegypti" pode ser acessado via Instagram, em @UFUSustentavel.

 

Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2023. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal