Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

31/05/2022 - 10:18 - Atualizado em 20/06/2022 - 10:30
Candidatos às vagas de cotas raciais na pós-graduação passam a precisar de heteroidentificação
Diretrizes operacionais para a comprovação de compatibilidade com traços pretos, pardos e indígenas serão lançadas nos cursos de mestrado e doutorado da UFU
Por: 
Milena Félix

Cotas raciais estão entre as modalidades de ingresso adotadas pela UFU em alguns de seus cursos de pós-graduação. (Foto: Milton Santos)

A Diretoria de Estudos e Pesquisas Afrorraciais (Diepafro) e o Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) tornam público, em parceria com a Diretoria de Pós-Graduação (Dirpg), o documento que contém as Diretrizes Operacionais para candidatos Pretos, Pardos e Indígenas (PPI) nos cursos de pós-graduação Stricto sensu da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). As novas regras já estão em vigor.

A UFU é uma referência no Brasil quando se trata de combate às fraudes em cotas raciais, graças ao bom desenvolvimento de seus procedimentos de heteroidentificação. Esse processo diz respeito a uma avaliação que é feita com o candidato, por uma comissão competente para a tarefa, para validar a sua condição como PPI e apto a ocupar as vagas reservadas a pessoas que se enquadram nesse perfil. De acordo com Breno Abreu, integrante da Diepafro, “a estrita função da comissão é detectar possibilidades de autoidentificação inadequada eventualmente assumida por candidatos não detentores de fenótipos negroides”.

Desde 2017, a heteroidentificação vem sendo realizada para ingresso de cotistas PPI em cursos de graduação da UFU. A partir de agora, a etapa de validação passa a valer, também, nos de pós-graduação. Abreu explica a importância dessas novas diretrizes. “Há cinco anos, já havia a previsão dos procedimentos de heteroidentificação enquanto mecanismo complementar à autodeclaração de candidatos PPI; no entanto, ficava a cargo de cada coordenação realizar o procedimento, de forma descentralizada, levando a procedimentos distintos”, relata.

Passa a ser obrigatório, no ato da matrícula, que o candidato aos cursos de especialização, mestrado ou doutorado que pretenda ocupar uma vaga de cota PPI apresente uma das seguintes possibilidades de documentação:

  • Documento de deferimento em heteroidentificação emitido pela UFU;
  • Documento de deferimento em heteroidentificação emitido por outras instituições públicas de ensino superior;
  • Solicitação de heteroidentificação junto ao documento assinado de autodeclaração;
  • No caso dos indígenas, deve-se apresntar também, em quaisquer dos casos, o Registro Administrativo de Nascimento Indígena (Rani);

O período para solicitar heteidentificação ocorre no início de todo mês, como mostrado no edital. Caso o candidato se omita na apresentação dos documentos, a comissão avaliadora possui o direito de analisar a situação. Para esclarecimento de eventuais dúvidas, está disponível a seguinte caixa de e-mail: chpg@reito.ufu.br.

 

Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2022. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal