Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

26/04/2019 - 10:42 - Atualizado em 02/05/2019 - 18:09
Estudo sobre saúde de adolescentes mostra ampliação da desigualdade no Brasil
Parceria entre UFU e outras três universidades alerta para urgência de políticas públicas para jovens
por Autor: 
Marco Cavalcanti

O estudo concluiu que a desigualdade entre os adolescentes está diminuindo para comportamentos de estilo de vida enquanto aumenta para comportamentos violentos (foto: Marco Cavalcanti)

Um estudo que avaliou as tendências nos comportamentos que afetam a saúde dos adolescentes brasileiros revelou que, entre 2009 e 2015, a desigualdade socioeconômica entre eles diminuiu para comportamentos relacionados ao estilo de vida, mas aumentou no que diz respeito ao envolvimento com a violência.

Foram analisados 12 comportamentos prejudiciais à saúde: consumo irregular de frutas, de vegetais e de feijão, consumo regular de refrigerantes, atividade física irregular, uso de álcool, de drogas e de tabaco, sexo inseguro, envolvimento em brigas com armas, vitimização por bullying e por violência doméstica.

O trabalho foi realizado em colaboração por um grupo de pesquisadores de três universidades brasileiras — Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) — e da London School of Hygiene and Tropical Medicine (LSHTM), instituição inglesa dedicada à pesquisa e estudos em saúde pública e global.

Os pesquisadores se debruçaram sobre dados das três edições da Pesquisa Nacional de Saúde Escolar (PeNSE) realizadas em 2009, em 2012 e em 2015.

A PeNSE faz um raio x, por amostragem, dos fatores de risco e proteção à saúde de adolescentes matriculados no 9º ano de escolas públicas e privadas das 26 capitais dos estados e do Distrito Federal. Ela é elaborada pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com apoio do Ministério da Educação.

Com o intuito de avaliar o nível socioeconômico dos estudantes, os pesquisadores lançaram mão de um “índice de riqueza”. Para chegar a esse índice, eles avaliaram as respostas dos adolescentes para perguntas sobre a posse de bens e acesso a serviços, como telefone, computador, internet, carro, banheiro dentro de casa e empregada doméstica. Também foram observadas a escolaridade dos pais e se a escola era pública ou privada.

A análise permitiu a obtenção de um índice único a partir de todas essas variáveis, explica a docente da Faculdade de Medicina da UFU e coordenadora do estudo, Catarina Azeredo. “Esse tipo de análise é necessária pois os adolescentes, que tinham em média entre 14 e 15 anos, dificilmente saberiam responder de forma direta sobre a renda da família, seja em salários mínimos ou em reais”, observa.

 

 

No estudo, eles viram que a desigualdade entre os adolescentes está diminuindo para comportamentos de estilo de vida (como o consumo de frutas), enquanto aumenta para comportamentos violentos.

Outro ponto destacado no trabalho diz respeito ao uso de bebida alcoólica, ao consumo irregular de feijão e regular de refrigerantes. Descobriu-se que a diferença entre os grupos sociais nesses itens também ficou menor. No entanto, a diminuição se dá por uma redução desses comportamentos de risco entre os adolescentes ricos e um aumento entre os pobres.

“Nossos resultados mostram não só que existe desigualdade social para todos os comportamentos avaliados, mas que, especialmente para os comportamentos violentos, essa desigualdade está aumentando ao longo do tempo, ou seja, a distância entre adolescentes mais pobres e mais ricos está aumentando, com maior prejuízo aos mais pobres”, afirma Catarina Azeredo.

“Além disso, observamos tendência preocupante para a alimentação, pois embora haja a redução da desigualdade, essa redução está ocorrendo porque os adolescentes mais pobres estão comendo cada vez menos feijão, que é um comportamento de proteção, porque indica uma alimentação mais tradicional, e cada vez mais refrigerante, que é considerado um fator de risco para diversas doenças, como diabetes e obesidade, por exemplo”, alerta Azeredo.

Políticas públicas de combate à desigualdade com foco nos adolescentes das classes sociais mais desfavorecidas são recomendações dos autores da análise. Embora a avaliação de políticas de combate à desigualdade ultrapasse a finalidade do estudo, a docente cita, como exemplo, uma política pública mexicana que poderia dar resultados no Brasil: a taxação de bebidas açucaradas.

“Em países de baixa e média renda como o Brasil e o México, os recursos arrecadados a partir de impostos sobre alimentos não saudáveis poderiam servir para subsidiar alimentos mais saudáveis como frutas e hortaliças, reduzindo o preço e os tornando mais acessíveis aos mais pobres, o que também teria um efeito positivo de redução da desigualdade em comportamentos de proteção”, argumenta.

A pesquisa, cujo título é "Avaliação e monitoramento de desigualdades em comportamentos relacionados à saúde entre adolescentes brasileiros”, foi financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na edição de março do periódico BMJOpen ‒ publicação britânica de pesquisas médicas ‒ com o título “Progresso e retrocessos nas desigualdades socioeconômicas em comportamentos relacionados à saúde do adolescente no Brasil: resultados de três pesquisas transversais 2009–2015”.

Futuro

A previsão é de que o trabalho dos pesquisadores terá continuidade no fim deste ano ou início de 2020, quando eles terão acesso aos dados da edição de 2019 da PeNSE. As informações, então, serão analisadas tendo como base o período 2009-2019, no qual será verificado se a tendência de ampliação da desigualdade permaneceu ou sofreu alteração após 2015, quando a crise econômica no país começou a se aprofundar.

Em janeiro deste ano, Azeredo passou a ser, com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), professora visitante da Universidade de Harvard (EUA), cargo que ocupa até dezembro. Lá ela desenvolve dois projetos na área de epidemiologia nutricional que visam investigar o consumo alimentar ao longo da vida como fator de risco para doenças.

Um dos projetos utiliza dados coletados no Brasil e o outro utiliza dados coletados nos Estados Unidos, com foco na saúde do adolescente. O objetivo principal do projeto com dados brasileiros é avaliar se o consumo de alimentos ultraprocessados durante a infância aumenta o risco de asma na adolescência. O segundo projeto ainda está em fase de elaboração.

 

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2019. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal