Skip to:

FacebookTwitterFlickrYoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

22/06/2022 - 16:51 - Atualizado em 24/06/2022 - 08:26
Atraso no desenvolvimento infantil pode estar relacionado ao contexto pandêmico
Pesquisa desenvolvida pela UFU em parceria com a UFMG utilizou o teste do pezinho para diagnosticar a presença de anticorpos contra o SARS-CoV-2 em recém-nascidos e avaliar seus possíveis impactos
Por: 
Gabriel Reis

Por ser realizado entre o terceiro e quinto dia de vida, o teste do pezinho é ideal para a análise, uma vez que não daria tempo do bebê produzir esses anticorpos de outra forma. (Imagem: Unsplash)

Ao longo de nove meses, mãe e bebê são ligados pelo cordão umbilical, compartilhando nutrientes e anticorpos através da placenta. Nascidos durante uma realidade bastante incomum para todo o mundo, essas crianças quase não conhecem uma sociedade livre das máscaras e do distanciamento social.

Desde o início da pandemia causada pelo vírus SARS-CoV-2, muito se discute acerca de sua origem, formas de prevenção e diagnóstico. Dentre essas questões está a possível imunização de recém-nascidos, acarretada pela transmissão placentária de anticorpos durante a gestação de mães que entraram em contato com o vírus – seja pela vacinação, seja pela covid-19.

Para além das possíveis problemáticas causadas pelo contato prematuro com o coronavírus, assim como o tempo de permanência desses anticorpos no organismo dos bebês, cientistas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em parceria com o Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico da Faculdade de Medicina (Nupad), desejam identificar possíveis atrasos no desenvolvimento desses bebês provocados pelo próprio contexto pandêmico.

A pesquisa, que iniciou em abril de 2021, atualmente avalia o grau de desenvolvimento dos bebês escolhidos para o estudo, através das escalas Bayley e ADL (Avaliação do Desenvolvimento da Linguagem)  – fazendo o uso de brincadeiras e atividades lúdicas.

Até o momento, foi possível identificar que tanto as crianças que apresentaram anticorpos, quanto as que não tiveram, possuem alguma suspeita de atraso no desenvolvimento – cerca de 22%.

De acordo com Vivian Azevedo, professora do curso de Fisioterapia da UFU e responsável pela coleta de dados em Uberlândia, essas informações apontam para o fato de que o ambiente familiar em que esses bebês estão inseridos é o maior responsável por possíveis comprometimentos no desenvolvimento e na linguagem.

“Através do SWYC, que é um questionário de triagem realizado pelo telefone, percebemos que cerca de 52% dos bebês apresentavam suspeita de algum tipo de problema de comportamento, como irritabilidade e inflexibilidade”, conta Azevedo.

Em dados fornecidos pela UFMG, a professora do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da instituição, Cláudia Lindgren afirma que os índices de uso abusivo de álcool e drogas (32%), insegurança alimentar (29%) e depressão materna (16%), mostraram-se maiores quando comparados com estudos pré-pandêmicos. Esses fatores, são os principais suspeitos para os possíveis atrasos de desenvolvimento das crianças participantes da pesquisa.

Para a conclusão da segunda fase, os pesquisadores estão entrando em contato com as famílias para agendarem a aplicação dos testes, contudo, estão tendo dificuldades no retorno por parte dos selecionados para o estudo.

 

A pesquisa

Apoiados pela Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais, o estudo, realizado em cinco cidades mineiras – Contagem, Ipatinga, Itabirito, Uberlândia e Nova Lima –  escolhidas pela prevalência da covid-19, testou cerca de 4 mil mães e bebês. Desses, 1.917 foram elegíveis para estudo e 279 crianças (15%) apresentaram anticorpos contra o SARS-CoV-2.

O teste do pezinho foi escolhido por ser um dos principais testes neonatais e usado na detecção de várias outras doenças.

“Nós aproveitamos a parceria com o Nupad para que fosse realizado junto do teste do pezinho a avaliação de anticorpos contra o SARS-CoV-2”, afirma a professora de Fisioterapia.

Durante os próximos passos, os cientistas pretendem acompanhar os recém-nascidos até os dois anos de idade, onde os testes serão repetidos aos 18 e 24 meses de vida.

 

Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2022. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal