Skip to:

FacebookInstagramLinkedinTikTokTwitter YoutubeFeed RSS

  • Aumentar
  • Diminuir
  • Normal

Current Size: 100%

28/03/2022 - 09:25 - Atualizado em 30/03/2022 - 11:24
Câncer de mama pode ser detectado por imagens infravermelhas ainda em fase inicial
Projeto que envolve a termografia é aliado no combate à doença e recebe premiação em evento internacional
Por: 
Laura Justino

“Eu tenho câncer de mama”?. (Arte: Heike van Meegdenburg)

O câncer de mama é uma das principais causas de morte entre as mulheres no Brasil e no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mas o diagnóstico precoce aumenta as chances de cura da doença. Para a detecção do tumor, a termografia é uma opção de baixo custo, que pode ser usada como exame complementar à mamografia.

É o que afirma o professor Henrique Coelho Fernandes, da Faculdade de Computação (Facom) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Ele atua em pesquisas e projetos na área de termografia infravermelha, processamento digital de imagens e imagens médicas.

A termografia é uma técnica que mede a radiação infravermelha exposta por um corpo para determinar a sua temperatura, que chega até a superfície através da condução térmica e pode ser observada por uma câmera infravermelha.

Ilustração da termografia. (Arte: Heike van Meegdenburg)

O pesquisador informa que o processo não traz riscos às pacientes. Por isso, é uma possibilidade de diagnóstico para as mulheres mais jovens e quando a mamografia não é indicada, como é o caso de mamas densas.

A mamografia utiliza equipamentos de raio X e é o exame mais comum para detectar o câncer de mama. Fernandes relata que a termografia não substitui a mamografia ou o ultrassom, mas pode ajudar a gerenciar o bem-estar da paciente.

Ilustração da mamografia. (Arte: Heike van Meegdenburg)

Os algoritmos de inteligência artificial (IA) podem ajudar a obter mais informações sobre a saúde das mamas: “um tumor gera mais calor do que células normais. Por causa disso, ele aparece de forma diferente na imagem térmica e uma rede neural consegue distinguir uma imagem que mostra um câncer e outra que não mostra”, explica Fernandes.

 

Premiação

O projeto desenvolvido pelo professor Fernandes, em parceria com a Silvia Plahl, jornalista alemã, foi um dos quatro vencedores do evento de divulgação científica Fourth Round of the Communication Lab (Quarta Rodada do Laboratório de Comunicação), organizado pela Fundação Alexander von Humboldt, realizado em uma cerimônia virtual em 4 de março de 2022.

A ilustração, produzida pela equipe do evento, contém o tema do projeto “Imagem infravermelha para detectar câncer de mama” e incentiva os cuidados com as mamas . (Arte: Fundação Alexander von Humboldt)

 

Foram selecionados dez cientistas bolsistas da fundação e dez jornalistas. Os 20 participantes foram divididos em duplas,sendo um jornalista e um cientista, para desenvolver um produto jornalístico com cunho científico.

Após essa etapa, os integrantes enviaram um vídeo defendendo por qual motivo o seu projeto de IA merece o prêmio de 500 euros, além do reconhecimento internacional.

O produto de Fernandes e Plahl que recebeu a premiação é um podcast intitulado “Breast Thermography – Can AI help to detect cancer?” (Termografia das mamas - A IA pode ajudar a detectar o câncer?), que em breve será disponibilizado nas plataformas digitais de áudio.

 

Política de uso: A reprodução de textos, fotografias e outros conteúdos publicados pela Diretoria de Comunicação Social da Universidade Federal de Uberlândia (Dirco/UFU) é livre; porém, solicitamos que seja(m) citado(s) o(s) autor(es) e o Portal Comunica UFU.

Av. João Naves de Ávila, 2121 - Campus Santa Mônica - Uberlândia - MG - CEP 38400-902

+55 34 3239-4411 | +55 34 3218-2111

© 2023. Universidade Federal de Uberlândia. Desenvolvido por CTI, com tecnologia Drupal