Pular para o conteúdo principal
Leia Cientistas

O HC/UFU e o cuidado em saúde para travestis e transexuais

Qualificar a política de saúde integral para a população LGBTQI+ é fortalecer a promoção da equidade e defender o SUS

Publicado em 20/01/2023 às 11:01 - Atualizado em 22/08/2023 às 16:39

O Centro de Referência em Atenção Integral para Saúde Transespecífica (Craist), do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC/UFU) — também é conhecido como Ambulatório para as Travestis e Transexuais  —, foi criado em 2007. Desde o início, assumimos a responsabilidade de formar estudantes, profissionais e pesquisadores(as) para atuar em uma das estratégias de cuidado nomeada, em 2008, como Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Desde 2016, somos o único serviço credenciado pelo Ministério da Saúde para a oferta de serviços ambulatoriais em Minas Gerais.

Composição da Equipe, em 2009, quando o Programa Em Cima do Salto: saúde, educação e cidadania venceu a 5ª edição do Prêmio de Incentivo à Prevenção e Tratamento do HIV/AIDS, na categoria “Programa para jovens e adolescentes até 25 anos”. O prêmio foi concedido pela Sociedade Brasileira de Infectologia.

O HC/UFU é um hospital de ensino e possui como suas diretrizes o investimento para a produção de conhecimentos que sustentem uma prática alicerçada nos melhores padrões de evidências científicas e ao mesmo tempo possam aprimorar as Políticas Públicas que orientam nossa prática. Sendo assim, a pesquisa (em diferentes áreas do conhecimento) é uma atividade constante, com a presença de mestrandos/as, doutorandos/as, residentes e estudantes de iniciação científica, além das pesquisas desenvolvidas pela própria equipe.

A singularidade do nosso trabalho é sua raiz estabelecida como ação extensionista. O Craist é um desdobramento do Programa Em Cima do Salto: saúde, educação e cidadania (2006-2018), projeto de extensão que marcou o ingresso e a consolidação das discussões de diversidade de gênero e orientação na Universidade Federal de Uberlândia. A articulação entre os projetos Educando pelos Pares, Vidas nas Calçadas e Ambulatório para a Saúde de Travestis e Transexuais foi fundamental para que as ações do Craist fossem pensadas seguindo os princípios da educação popular em saúde e articuladas com o movimento social. O Craist carrega em sua história a relação entre ensino-pesquisa-extensão e assistência.

Diferentes ações do Programa Em Cima do Salto: saúde, educação e cidadania. (Fotos: Divulgação/Craist)

Nossa equipe foi se compondo ao longo dos anos. Muitos/as estudantes, docentes e técnicos/as emprestaram seus saberes para nossa caminhada. Uma certeza nos orienta: o serviço somos nós, que afetadas/os pela produção de um cuidado integral para as pessoas que se reconhecem e são reconhecidas como travestis e/ou transexuais temos que produzir um cuidado que se sustenta no direito ao autorreconhecimento, na autonomia e responsabilização compartilhada entre equipe e usuários/as.

Cientes de que as recusas, o despreparo, as precariedades e as violências perpetradas pelos serviços de saúde, em todos os níveis de atenção, constituem cicatrizes e tecido que estruturam as barreiras de acesso e a qualidade do cuidado para a população LGBTQI+ não somente aos procedimentos previstos no Processo Transexualizador, mas em todo o SUS, seguimos construindo e ensinando práticas de saúde fundamentadas em evidências científicas e orientadas pelos princípios dos direitos humanos. 

Testemunho desse compromisso, ainda em 2007, implantamos o nome social nos prontuários eletrônicos do HC/UFU que se tornou o primeiro hospital de ensino a inserir de modo sistemático e oficial o nome social em todos os registros dos/as usuários/as. Esta ação viria a inspirar o modelo que seria adotado pelo Ministério da Saúde para o Cartão SUS.

O Craist funciona toda sexta-feira, das 7h às 13h, no ambulatório de Ginecologia e Obstetrícia do HC/UFU com atendimentos clínicos agendados e acolhimento e suporte de livre demanda, ou seja, todo/a usuário/a pode se dirigir ao serviço no horário entre 7h30 e 11h que será acolhido/a e encontrará um/a profissional para orientar e realizar a escuta de sua demanda.

Equipe do Craist em janeiro de 2023. (Fotos: Divulgação/Craist)

A equipe é composta por profissionais da medicina (endocrinologia, ginecologia e psiquiatria), psicologia, saúde coletiva e serviço social. Atendemos usuários/as e suas famílias, incluindo crianças e adolescentes, que apresentem questões de desconforto ou sofrimento relacionadas a identidade de gênero.

No momento de reconstrução das políticas de saúde e, particularmente, das Política Nacional de Saúde Integral para a População LGBTQI+, o nosso serviço reafirma seu compromisso com o trabalho multiprofissional, orientado pelos princípios da equidade e participação social, cujas ações estão ancoradas na realidade e no contexto dos/as usuários/as e comprometido com superação das iniquidades em saúde.

 

*Os autores são integrantes do Craist. Flavia do Bonsucesso Teixeira (docente da Faculdade de Medicina/UFU e do Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família/UFU), Alex Barbosa Sobreira de Miranda (discente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia/UFU e integrante da equipe assistencial Ebserh/HC-UFU), Camila Toffoli Ribeiro (docente da Faculdade de Medicina/UFU), Júnia Rodrigues Araújo (bolsista de extensão), Lucio da Costa Girotto (docente da Faculdade de Medicina/UFU e discente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/Unifesp)  Martha Naves de Oliveira (bolsista de extensão), Taciana Carla Maia Feibelmann (técnica administrativa em educação - HC/UFU) e Wanderson de Andrade Fagundes (técnico administrativo em educação - HC/UFU e discente do Programa de Pós-Graduação em Política Social/UnB).

A publicação desse texto é decorrente da parceria da Diretoria de Comunicação Social (Dirco) com a Comissão Permanente de Acompanhamento dessa Política (CPDIVERSA) voltada à difusão de informações sobre as temáticas LGBT no campo do ensino, pesquisa, extensão e gestão. Para saber mais sobre a Política de Diversidade Sexual e de Gênero da UFU e a CPDIVERSA acesse: https://ufu.br/cpdiversa.

 

A seção "Leia Cientistas" reúne textos de divulgação científica escritos por pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). São produzidos por professores, técnicos e/ou estudantes de diferentes áreas do conhecimento. A publicação é feita pela Divisão de Divulgação Científica da Diretoria de Comunicação Social (Dirco/UFU), mas os textos são de responsabilidade do(s) autor(es) e não representam, necessariamente, a opinião da UFU e/ou da Dirco. Quer enviar seu texto? Acesse: www.comunica.ufu.br/divulgacao. Se você já enviou o seu texto, aguarde que ele deve ser publicado nos próximos dias.

Palavras-chave: Leia Cientistas Craist LGBTQI+ atendimento saúde travestis transexuais

A11y

Copyright© Universidade Federal Uberlândia.
Desenvolvido por Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação com o CMS de código aberto Drupal.